Em educação financeira existem alguns jargões usados como um mantra para guiar investidores. Eu mesma comecei investindo em ativos tradicionais, renda fixa e variável, e segui muitos desses preceitos. Mas quando comecei a estudar bitcoin percebi que ele,  muitas vezes, batia de frente com essas frases famosas entre educadores financeiros como: valorização passada não é sinal de valorização futura, fazer o dinheiro trabalhar pra você e tesouro direto é o ativo mais seguro!

“ Valorização passada não é sinal de valorização futura”

Ativos tradicionais não são previsíveis. Um título de uma empresa ou de um governo podem mudar suas políticas e propriedades constantemente. Como os fundamentos são facilmente modificáveis, não tem como garantir que no futuro o título não irá mudar e com isso a performance irá mudar também. No sistema fiat mudar é uma forma de se adaptar a diferentes cenários, mas isso traz muitas variáveis à mesa e um grau de incerteza ainda maior nos fundamentos dos ativos. Por isso que no sistema fiat essa crença faz sentido, ativos e os cenários mudam o tempo todo e nada pode ser dado como garantido.

Bitcoin mudou essa concepção, a valorização passada dele é sinal de valorização futura por causa de propriedades imutáveis que não se modificam de acordo com o cenário. A escassez, descentralização, distribuição dos nodes e mecanismo de consenso do Bitcoin são propriedades extremamente difíceis de alterar.

Contudo, muitas pessoas duvidam da imutabilidade do bitcoin e usam o preço para exemplificar isso, a clássica “se o bitcoin é tão imutável porque o preço é tão volátil?”. O preço do bitcoin é completamente mutável porque depende mais da psicologia de quem compra do que de propriedades físicas, matemáticas e computacionais do protocolo btc.

Bitcoin é imutável porque sua política monetária e o código que determina isso não muda. Se sabe como será a emissão dos novos bitcoin com 100 anos de antecedência. A valorização dele é causada pela demanda crescente, pela escassez matemática e pelos choques de oferta que causam picos de valorização cíclicos. Esses cronograma de emissão decrescente de moedas não vai mudar. Mesmo com turbulências no cenário econômico, bitcoin não depende de governos, empresas ou moedas fiat. Ele é um sistema financeiro independente e alternativo que está sendo monetizado. O preço pode mudar mas os fundamentos não mudam.

Bitcoin tem crescido em adoção, em poder computacional e é uma antítese aos bancos centrais no sentido que não permite desvalorização via inflação monetária, via impressão de dinheiro. Como bitcoin não muda sua emissão, mesmo frente a cenários desafiadores, a tendência dele é de valorização no longo prazo.

É claro que há riscos de bugs. Mas bitcoin roda liso 99,98% há quase 10 anos, mesmo sendo alvo de ataques constantes bitcoin segue incólume e com a rede com maior poder computacional protegendo o protocolo.

Fonte: Bitcoin Uptime.org

O mais provável são as moedas fiats falharem antes, como acontece há décadas em que moedas são extintas após eventos hiperinflacionários. A cada momento um país passa por esse processo, Venezuela, Argentina, Turquia e até o Brasil já renomeou mais de 8 vezes sua moeda nos ultimos 100 anos após colapsos inflacionários. Isso acontece porque as fiats estão apoiadas em bolhas de crédito, em impressão de dinheiro e na confiança que as pessoas tem nos governos em “controlar a economia”. Coisa que  nunca deu certo no longo prazo porque governos não resistem à possibilidade de ligar as impressoras de dinheiro ou de manipular demanda (juros).

Bitcoin não pode ser modificado nem pela pessoa mais poderosa do mundo, ele substitui a confiança nos políticos pela confiança na matemática, na física e na termodinâmica que são leis universais da natureza e também é improvável que elas mudem.

“Faça o dinheiro trabalhar pra você”

As pessoas decidem trocar seu dinheiro por ativos que tendem a se valorizar no futuro: títulos do governo, tesouro direto, ações de empresas, letras de crédito… mas tudo isso está denominado em moedas que perdem valor constantemente. É uma força negativa em qualquer investimento tradicional.

As pessoas foram estimuladas a aprender a investir porque o dinheiro é falho, ele não conserva valor. E pior, muitos acham que investindo elas estão ganhando dinheiro, quando na verdade elas estão conservando parte do poder de compra, porque muitas vezes os investimentos não ganham da inflação. Ano passado, por exemplo, nenhum ativo brasileiro ganhou da inflação.

Fonte: Valor Econômico

Investir só em ativos fiat, especialmente de renda fixa, é como andar em uma escada rolante invertida, que te empurra pra trás mesmo vc tentando andar pra frente.

Por isso que não existe isso de “fazer o seu dinheiro trabalhar para você”. Ele é fiat, está sempre trabalhando CONTRA você por causa da inflação monetária inerente às moedas governamentais.

O único dinheiro que de fato trabalha pelas pessoas é o Bitcoin. É uma reserva de valor em adoção que está sendo monetizada conforme a adoção avança. Isso quer dizer que bitcoin se valoriza exponencialmente porque as pessoas percebem que as fiats são um cubo de gelo. É uma ferramenta para qualquer pessoa que queira proteger seu patrimônio da desvalorização fiat, da censura, do confisco por terceiros e que se cansou em confiar em políticos para criar políticas monetárias e econômicas saudáveis no longo prazo, coisa que nunca aconteceu.

A gestora Fidelity lançou recentemente um estudo projetando a valorização do bitcoin conforme a adoção dele crescesse. Bitcoin é considerado uma nova tecnologia financeira, um novo tipo de dinheiro e, por isso, uma das formas de tentar projetar sua valorização é comparar com a adoção de outras tecnologias.

Fonte: Fidelity

A Fidelity comparou com a velocidade de adoção da internet, linha laranja, até porque bitcoin é considerado a internet do valor. Se a internet descentralizou a informação, bitcoin descentraliza o acesso ao valor incensurável, apolítico e anti-inflacionário.

Na linha azul está a adoção dos celulares, tecnologia bastante disseminada. Eles projetaram que até 2030 um bitcoin deve valer cerca de 343 mil dólares, se a velocidade de adoção for parecida com a dos telefones celulares (linha azul), e 1,2 milhão de dólares se bitcoin tiver uma adoção parecida com a da internet (linha laranja).

Essa projeção positiva de valorização faz sentido porque se a gente observar o gráfico do bitcoin é o que está acontecendo. Bitcoin tem se valorizado exponencialmente, como qualquer nova tecnologia. Ele tem, claro, muita volatilidade, quedas enormes de preço, mas as subidas sobrepõem no longo prazo as correções de curto prazo.

Como os fundamentos do bitcoin não mudam, muito pelo contrário, se fortalecem conforme a adoção avança, fica cada vez mais difícil parar essa bola de neve de feedback positivo.


“Tesouro direto é o ativo mais seguro, é muito difícil um governo falir!”

Ok, governos falirem é algo meio catastrófico, mas também não sustenta essa afirmação de segurança toda. Títulos públicos não são tão seguros porque dependem das decisões de terceiros, de bancos centrais, que muitas vezes se dizem independentes mas igual acabam defendendo a vontade política de quem está no poder.

Bancos centrais no mundo todo mantiveram taxas de juros excessivamente baixas em 2020 e 2021 e isso causou uma onda de valorização negativa. Os títulos acabaram perdendo pra inflação!

Fonte: Brookings

Isso quer dizer que não precisa o país afundar e falir. Basta um pitadinha de interesse político, impressão de dinheiro e manipulação das taxas, para quem investe em títulos públicos perder dinheiro pra inflação.

Olha o que aconteceu com o Sri Lanka recentemente, o país foi à falência e está buscando resgate com o FMI. A própria Argentina já foi resgatada várias vezes pelo FMI, senão também iria à falência.

O Brasil já foi resgatado pelo FMI algumas vezes nas últimas décadas e ainda hoje possui uma dívida de 90% do PIB com a instituição, por exemplo. Isso quer dizer que é difícil um país falir, ele pede emprestado para outros países, como Estados Unidos e Europa. Isso quer dizer que países acabam recorrendo a impressoras de outros países quando a sua quebra.

Por isso que Bitcoin é considerado por alguns investidores como um seguro contra o colapso sistêmico da economia controlada pelos bancos centrais. Parece arriscado quando a gente observa a volatilidade, mas quando se percebe que nenhum banco central no mundo consegue modificar as regras do bitcoin, como eles fazem com as políticas monetárias, bitcoin se torna um dos poucos ativos não correlacionados ao sistema fiat nas suas propriedades.

Apesar do preço ainda seguir as dinâmicas de ações e ativos de risco, em nada esses outros ativos implicam no código Bitcoin.

Compartilhe este artigo